22 maconheiros famosos que você nem imaginava

abril 25, 2018

Com o movimento do hip-hop e rap em alta nos EUA (ritmos considerados de periferia), muitos países, assim como o Brasil, tem vivido um fortalecimento de seus ritmos periféricos. E, por consequência, o fortalecimento do seus respectivos elementos  (hábitos, aparência, musicalidade e arte).


A maconha que os rappers e cantores norte americanos fumam e passaram a exaltar devido a massiva legalização que vem sendo feita no país, é um desses elementos (assim como nas periferias brasileiras).

Sendo a cannabis um desses elementos (que para o Brasil foi trazida pelos escravos para seus rituais religiosos), cada vez mais artistas brasileiros vem se pronunciando a favor da maconha, seguindo também essa tendência mundial iniciada pelos americanos.

MC Guimê


Em julho de 2015, o funkeiro postou um vídeo em seu perfil no Instagram dançando e fumando um baseado.

Uma publicação compartilhada por MC Guimê 🦅 (@guimemc) em

Em maio de 2016, Guimê e sua equipe foram pegos com cigarros contendo a substância dentro da van da equipe, depois de realizar um show na última noite de um rodeio em Nova Lima, Minas Gerais.

Neste episódio, o MC assumiu que os baseados encontrados em sua mochila seriam para consumo próprio.

Mc Guimê fumando maconha durante fotos

Após alguns meses, o funkeiro posta novamente, em dezembro de 2017, um vídeo em que ele mesmo aparece fumando um baseado enquanto ouve música em seu carro.

Veja o vídeo:



Conheça outros artistas que também assumiram serem usuários de maconha


Mr Catra

O funkeiro que já está acostumado a chocar a sociedade por suas opiniões, também nunca escondeu sua admiração pela erva, já que, desde o início da carreira, fala de maconha em suas letras.


Em seu documentário chamado "90 Dias Com Catra", o carioca conta que além de falar 4 idiomas, é formado em direito, e fala mais intimamente sobre os fílhos, a família e a carreira, enquanto ostenta seu baseado para todos os lados. 


Assim como muitos usuários em todo o Brasil, Catra também já foi detido portando quantidade considerada para consumo, no bairro do Tatuapé, em São Paulo, no ano de 2014.

Flora Matos

Flora Maia Matos é mais uma da cena musical que está sempre sendo vista fumando um. O que não faltam são stories da brasiliense fumando maconha em sua conta do instagram.


Em seu último trabalho intitulado "Eletrocardiograma" não é difícil encontrar cenas de clipes onde Flora fuma seu cigarrinho de maconha muito à vontade.


A cantora também já participou do show de encerramento da marcha da maconha em 2015, junto com outros artistas que apoiam a legalização.

Mano Brown

Pedro Paulo Soares Pereira, mais conhecido como Mano Brown, também é um dos maconheiros da nossa lista que compõe a cena da música de periferia. "Acredito que vou ver maconha legalizar no Brasil. Eu vi até o metrô chegar no Capão" (sic).


“O que faz mais mal? Cachaça ou maconha? A cachaça”, afirmou. “Esses caras (da indústria de bebida alcoólica) não vão presos porque não são pretos, nem pobres" (sic).


Após o impeachment (lê-se golpe) sofrido pela presidente Dilma, Brown postou em sua redes sociais uma foto em que aparece bolando um baseado de maconha com o título, e na legenda justifica sua atitude. 

Froid

O rapper brasiliense que chama a atenção pro novo cenário do rap brasileiro, também não cansa de legalizar e falar sobre a planta.


Ele posta stories em sua conta no instagram e vídeos fumando e, recentemente, até lançou uma música, com a participação de Pedro Qualy, que se chama "Debate sobre a erva", como já noticiamos aqui no Plantação 420.


Em outra música, Pseudosocial, Froid vai direto na ferida: "Preciso debater assuntos como o aborto e a erva / O Estado vai encher vocês com o máximo de merda / Seus olhos vão arder, são muitos anos na caverna / Precisamos de um PC que desinstale o caos da Terra"

Pedro Qualy

Qualy, que é um dos integrantes do grupo Haikass, também está sempre quebrando o tabu em torno do assunto.

Em sua participação na música "Debate sobre a erva" o rapper canta um pouco da sua experiência como maconheiro: "Pai, tô vendo minhas escolhas de adolescente / Refletir em gente inocente com os dente de leite / Proibição que cega a mente dos que segue a mídia / E depois de velho tenho que fazer média?"



Leia também: Froid e Qualy lançam música chamada "Debate Sobre a Erva"

Raffa Moreira

O trapper Raffa Moreira é mais um na nossa lista de maconheiros que não esconde o amor pela maconha.



Ele não cansa de dizer em entrevistas, nas letras de suas músicas e pra quem mais quiser ouvir que curte muito e não está dando a mínima para o que pensem dele.


Felipe Ret


Filipe Cavaleiro de Macedo da Silva Faria, ficou mais conhecido pelo apelido que ganhou nas batalhas de rap por onde passou, no Rio de Janeiro. Se você não sabia, ret significa maconha, na definição do dicionário informal. Filipe Ret, desde então, não cansa de fazer jus ao apelido.




O rapper, que antes de fazer sucesso se formou em jornalismo, vai além, e satiriza o fato de poucos assumirem que usam a droga (quando, na verdade, muitos usam, mas têm medo de assumirem publicamente):


MC Livinho

MC Livinho, para os íntimos Oliver Decesary Santos, também já é visto fumando e falando sobre maconha há algum tempo. Como noticiamos aqui no Plantação 420, em 2017 o funkeiro lançou uma música onde fala sobre maconha diversas vezes e até a Gloria Maria acabou aparecendo no clipe.


Leia também: Livinho lança música nova e até Gloria Maria aparece fumando maconha

Livinho nunca se pronunciou sobre o assunto, mas, nesse caso, uma imagem vale mais do que mil palavras.

MC Lan

Caio Alexandre Cruz, mais conhecido como MC Lan, é o dono dos hits "Se Tiver Maconha Eu Vou" e "Que Maconha Ruim do Carai", e, obviamente, também não precisa entrar em muitos detalhes sobre a sua opinião sobre maconha.

Não é difícil encontrar registros do MC queimando seu baseado por aí.

Rita Lee

Rita Lee, que é também conhecida como a rainha do rock brasileiro, sabe a importância de usar a sua voz em favor de causas maiores. Em 2012 a cantora foi fortemente aclamada pelos maconheiros brasileiros ao defender a plateia que a assistia durante um show, em Recife, por não ter gostado da abordagem dos policiais.



No vídeo é possível ouvir a cantora repreendendo a polícia "Isso é força bruta. Vocês não tem o direito de usar a força na meninada, que não está fazendo nada! Cadê o responsável? Eu quero falar! Eu tenho direito, esse show é meu, não é de vocês! Esse show é a minha despedida do palco e vocês continuam tendo que guardar as pessoas, não tendo que agredir, seus cachorros! Coitado dos cachorros" (sic).


"Eu sou do tempo da ditadura. Cê pensa que eu tenho medo? Porra! Olha aqui, eu sou mulher! Mulher, querido! Eu sou mulher, tive 3 filhos, tenho uma neta, 67 anos. O que que vocês vão fazer, é isso que vocês querem? Chamar a atenção? Eles querem chamar a atenção. É horrível! Eu tenho paranoia desse tipo de coisa! Por quê? Eu queria saber. Cadê por escrito que vocês tem que fazer isso? Cavalaria aqui não, filho. Não, não vou esperar, esse show é meu! As pessoas estão me esperando cantar. Seus filhos da puta, agora vem me prender!" (sic).

Depois disso, Rita abaixa o microfone e espera a polícia prendê-la ou se retirar do local, para que ela continuasse o show. A polícia se retirou do meio da plateia e a cantora continuou o concerto. Porém, no final, foi detida e levada a delegacia para prestar esclarecimentos.


Contrariar é o que Rita Lee sempre amou fazer, e continua fazendo até hoje. Em 2015, a cantora postou um texto em seu facebook esclarecendo que é a favor da legalização, mas não fuma mais, provando que, mesmo fumando maconha por muito tempo, ela pode parar quando quis.

Luana Piovani

Se você hoje posta storie no Intagram fumando maconha, provavelmente não é capaz de lembrar o que as pessoas passavam há uns anos atrás quando resolviam assumir que gostavam de fumar maconha.

Em 2003, na época com 27 anos, em uma entrevista originalmente dada para o jornal "O Tempo",  quando a atriz foi perguntada sobre maconha, disse "Ai, tem que responder? (risos) Fumo, de vez em quando eu fumo. Tem gente que chega em casa e toma um uisquinho. Eu preciso dar uma relaxada, baixar a energia. Às vezes eu sento e não consigo parar de pensar, sabe? A minha família sabe, mas não acendo um cigarro de maconha na frente da minha mãe" (sic).

Uns dias depois, a notícia que se lia era que a Promotora Marcella Navega, da 7ª Promotoria de Investigação Penal, teria aberto um inquérito para investigar as declarações dadas por Piovani por suposta acusação de apologia ao crime, uso de drogas e indução ou difusão do uso de entorpecentes (só este último crime prevendo pena de 3 a 15 anos de reclusão).


Logicamente, quando procurada, a atriz tentou desmentir a história através de seu advogado, assim como a notícia original foi apagada pela equipe do jornal (hoje é possível  apenas encontrar trechos da entrevistas copiados em outros sites ou fóruns).

Em 2011, durante sua primeira gestação com o marido Scooby,quando perguntada sobre maconha, Luana foi direta e mais discreta "Parei de fumar pra gravidez" (sic).

Luana fumando maconha ao lado do esposo, Scooby
Três anos depois, 2015, a atriz revelou que aos 20 foi pega com maconha “Já rodei, e foi punk. Terror e pânico. Fui parar na delegacia. Praia, né? Eles viram a minha vulnerabilidade. Estava com um namorado que se borrou todo, chorava num canto e eu negociava com os ‘gambés’ do outro. Quando viram que a gente era famoso, passaram a negociar" (sic). Piovani afirma que na época pagou o valor de R$ 15 mil aos policiais.

“Quando entendi que o esquema era dinheiro, me deu raiva. Os caras aceitaram cheque! Devia ter pedido para dividir em duas prestações... E a vontade de sustar o cheque? Tive muito medo. A gente conhece a polícia que tem. Se eu cruzar com o desgraçado, acho que não o reconheço” (sic), desabafou.

Após o ocorrido, ela garante que aprendeu a lição e que não pensa em pagar propina novamente, “Prefiro pagar pelos meus erros e assumir as consequências do que ser conivente com gente escrota e ficar com o rabo preso” (sic).

Dado Dolabella

Que Carlos Eduardo Bouças Dolabella Filho, ou Dado Dolabella popularmente, não foi visto uma, mas diversas vezes entrando e saindo de delegacias para resolver suas pendências com a lei, muita gente sabe. Mas quando você achou que não poderia piorar, o ator se supera.

Após agredir Luana Piovani e sua camareira em 2008, Dado é o vencedor da primeira edição do reality A Fazenda em agosto de 2009. Ao ser entrevistado pelo Hoje em Dia o ator aproveitou para tentar "limpar" sua imagem com o público sobre a maconha, "Já usei por um bom tempo. Eu fumava para me distrair, para esquecer dos problemas. Hoje eu me arrependo e não recomendo" (sic).


Um ano depois, em 16 setembro de 2010, o ator recebeu duas multas e perdeu 3 pontos na carteira, por se negar a passar pelo teste do bafômetro e não apresentar o documento do veículo, depois de ser parado em uma blitz da lei seca. 

No dia 30, ainda do mesmo mês, ele também foi pego em outra blitz, desta vez portando 3,6g de maconha dentro de um frasco de vitamina C que estava escondido na tampa que dá acesso ao tanque de combustível do automóvel. O ator inicialmente disse que qualquer um poderia ter colocado a droga ali e que não sabia de quem era, porém, veio depois a confessar.

"Dado disse que comprou a droga há alguns dias na Praia de Ipanema, para uso próprio, mas não soube dizer de quem", afirmou o delegado responsável pelo caso.

Foto de dezembro de 2014, 6 meses após ter sentença por agressão decretada




Ele ainda tentou desacreditar a ex alegando que a mesma estava sob efeito de maconha quando foi agredida e trouxe uma testemunha que teria visto Luana fumando um cigarro suspeito. Aparentemente, para o ator, se a pessoa está sob o efeito de alguma substância ilícita ela perde o direito de reclamar uma violência e, quem comete a violência, passa a estar certo.

Bom, mas pela imagem de Dado Dolabella fumando em dezembro de 2014, ele poderia ser facilmente agredido (risos).
Lembrando que em 2010 Dado saiu da casa onde vivia com a ex esposa Viviane Sarahyba, após ela também o acusar de agressão e de não pagar pensão (motivo pelo qual o ator ficou 2 meses preso recentemente).

João Gordo

João Francisco Benedan, mais conhecido como João Gordo, nunca negou ter vivido a vida de forma intensa e turbulenta durante muitos anos. O vocalista da banda Ratos de Porão até admitiu ser parcialmente culpado pelo catastrófico show que Kurt Cobain fez no Brasil em 1993.

João Gordo e Kurt Cobain durante a última noite do americano em São Paulo
Em entrevista, quando perguntado se já teria largado as drogas, João dispara "Eu fumo maconha. Há 40 anos, já tentei parar e não consigo. Foda-se" e acrescenta "Se eu ficar bebo, eu apronto, então, tem que cortar o mal pela raiz".

João e outros famosos também aproveitaram para assumir que fumam maconha e apoiar o festival chamado Ganja Talks, que tem como objetivo promover o debate sobre a planta.


PC Siqueira

PC Siqueira, nunca foi visto fumando ou postou uma foto que comprovasse ser maconheiro, porém, basta assistir alguns vídeos sobre o tema para entender que o youtuber usa maconha recreativamente e, claro, também apoia a legalização da droga.


Em um vídeo sobre o assunto, PC fala que é "a favor da legalização de todas as drogas", mas "da maconha, principalmente, por motivos óbvios" e explica como outras drogas legalizadas (como o álcool) são muito mais prejudiciais do que a maconha, entre outros motivos que ele tem para apoiar a legalização.


Inclusive, PC também participou da campanha #SaidoArmario, em prol do evento Ganja Talks.
As pessoas foram convidadas a "saírem do armário" sobre a maconha e incentivar a desconstrução deste tabu na sociedade. Outros artistas também participaram da campanha, mas vamos apresentá-los a seguir.

Cauê

Cauê Moura é youtuber e, assim como PC, totalmente a favor da legalização da maconha, inclusive, ele deixa isso bem claro em todos os seus vídeos.


Não temos imagens que mostrem Cauê fumando um, mas basta acompanhar seu trabalho junto ao PC Siqueira e Rafinha Bastos, no canal no youtube chamado Ilha de Barbados, para perceber que ele fuma pelo menos uma vez ao dia, antes de dormir.


Quando Rafinha pergunta "Mas você estava chapado?", se referindo ao fato de Cauê ter esquecido um copo enchendo de água no filtro por horas, ele não pensa duas vezes "Eu falei que tava de noite em casa, é quase pleonasmo. Eu não consigo dormir tem muitos anos. Eu fumo pra dormir"

Cazé Peçanha

Carlos José de Araújo Pecini é um apresentador brasileiro de televisão diferente da maioria. Enquanto todos negavam qualquer envolvimento com drogas em 2001, ele estava na contramão falando com todas as letras que gostava de fumar maconha.


"Experimentei outras coisas, ácido, cocaína, tomei o daime. Hoje, quando uso algo, uso maconha. Gosto, me faz bem. Em casa, fumo às vezes pra ler, criar, pensar na vida. É fundamental" (sic).

Em 2013, o ex VJ deu uma entrevista a revista Sexy e quando questionado sobre quem fumou mais maconha, a MTV ou Bob Marley, ele foi enfático "Ah… a MTV, cara. Ali todo mundo queimava. Tem várias histórias. Mas enfim, com certeza a MTV fumou mais maconha que o Bob Marley" (sic).


Além de também ter sido um dos rostos a participar da campanha #SaidoArmario em 2016, Cazé também compareceu a marcha da maconha no mesmo ano. "Participei da primeira parte da marcha. Semelhante ao apitaço, feito no Rio de Janeiro, nós sentamos no chão e fomos convidados a fumar um cigarro de maconha" (sic).

Gregório Duvivier

O ator e humorista do programa "Porta dos Fundos" vez em quando posta uma imagem fumando um e também já deu declarações super diretas sobre sua posição quanto ao uso e criminalização da droga.


"Eu tenho pé de maconha em casa. Já estou falando isso há um ano, esperando a polícia bater lá em casa e não bate. Já falei com todas letras! Inclusive eu tenho dois hoje em dia já... Quem estiver no Rio, eu moro no Jardim Botânico. Eu tenho lemon raze - não é o purple raze (tipos diferentes de variedades da maconha), é uma cruza. Os dois são fêmeas, camarões grandes... Já falei isso mil vezes. Me prendam! É proibido isso. Por que não estão me prendendo? É porque sou branco, rico, moro no Rio de Janeiro, no Sudeste, etc e tal. O debate não só comportamental, mas também financeiro. A criminalização é da pobreza. Não é da maconha, do aborto. Crime no Brasil é ser pobre" (sic).

Gregório mostrando sua plantação caseira de maconha
Num dos posts mais recentes, Gregório rebate as acusações de estar financiando o tráfico de drogas "Quem financia o tráfico é quem tem retorno financeiro com ele (sargentos, coronéis, senadores)" e também não deixa de reforçar que está ciente de que brancos ricos tem privilégios que negros e/ou pobres não possuem e, por isso, o ator continua com sua plantação de maconha há cerca de dois anos esperando sua "condenação".

Betty Faria

Elisabeth Maria Silva de Faria, mais conhecida como Betty Faria, é uma atriz brasileira consagrada, mas que não deixa de expor suas opiniões com medo de retaliações.

Quando perguntada por Pedro Bial sobre drogas e seus efeitos, a atriz disparou "A cortisona! Fica o sapo cururu, tem que fazer a catarata, a pela fica fina, é uma merda!", o apresentador questiona sobre a maconha, "Eu não acho maconha droga, eu acho que não tem efeito nenhum. É uma mentira dizer que mexe com memória, porque fumei muita maconha e nunca tive problema de memória. E minhas colegas que tomam remédio pra dormir, na hora de gravar, não sabem o texto" (sic).


"Devia parar! Por isso que eu digo, o Brasil é uma coisa hipócrita [...] Mas se eu falasse isso que eu to falando aqui agora, quando abrisse o estúdio eu ia sair de algema, né? Tive que desviar de uma cidade do Brasil, que eu nem vou falar o nome do cara, um deputado moralista, que queria me prender porque eu falei sobre isso há 20 anos atrás na Veja. Agora os EUA comercializou e viu que é uma beleza"

Bial pergunta a Faria se a maconha se tornou um vício em algum momento, ela responde dizendo "Não é vício, não vicia nada. Maconha não vicia, o que vicia é Malboro vermelho". 

Cleo Pires

Graças a muito diálogo e a uma criação livre que teve dos pais, Cleo sempre se mostrou muito esclarecida sobre o assunto, inclusive, são vários os vídeos em que se pode vê-la relaxando enquanto fuma um.

Cleo Pires fuma baseado durante evento
A atriz, que é sempre vista ostentando seu cigarro de maconha, deixa clara sua relação com a droga: "É óbvio que já usei maconha. Seria hipócrita se eu negasse, mas hoje só uso recreativamente" (sic).

Marcelo Yuka

Marcelo Yuka era o baterista e líder da banda O Rappa até que, no ano 2000, levou 9 tiros tentando escapar de uma tentativa de assalto. Devido a sequela dos tiros, Yuka sente dores a maior parte do tempo desde então.


Em uma entrevista realizada em 2013, o músico afirma que seu tratamento para dores usando maconha medicinal foi iniciado e que, graças ao medicamento, conseguia sentir grande alívio "A maconha não tira a dor, mas ela desvia a sua atenção daquilo" (sic).

O produtor musical também fala da importância da legalização da maconha e todas as drogas, pois,é algo que diz respeito a escolha individual, ao direito de cada um de decidir o que fazer com o próprio corpo.


"Pessoalmente eu acho que a gente deveria estar num ponto democrático em que seu corpo seja sua decisão" (sic).

"Eu acho até que a maconha pode ser improdutiva também para quem usa. É tudo uma questão de relação, de como o seu corpo vai se relacionar com isso. Seu corpo físico e seu corpo psíquico. Mas mesmo assim eu acho que é um direito" (sic).

Marcelo D2

Marcelo Maldonado Peixoto, ex-vocalista da banda Planet Hemp (na tradução literal, "Planeta Maconha"), nunca fez cerimônias para declarar seu amor pela erva e você já está cansado de saber disso, mas é claro que ele não poderia ficar de fora da nossa lista.


"Cansei de usar (maconha). Eu fumo até hoje, mas menos. A legalização da maconha é uma questão de 'quando', não de 'sim' ou 'não'. Droga é assunto de saúde, não de polícia" (sic).



Leia também: 7 coisas impossíveis de se fazer chapado

  • Compartilhe com os amigos:

Talvez você também queira ver

1 comentários